Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Se Isto Não É Um Blog

Quantidade absurda de parvoíces, recheada com comédia e apresentada em forma de crónicas, artigo ou desabafo

Se Isto Não É Um Blog

Quantidade absurda de parvoíces, recheada com comédia e apresentada em forma de crónicas, artigo ou desabafo

Sab | 07.07.18

Tauromaquia: Sim ou Não?

170321-bullfighter-romero-mexico-feature.png

 

 

Esta semana a tauromaquia voltou a ser tema na Assembleia da República. O projeto de lei que o PAN apresentou tinha como objetivo a abolição das corridas de touros em Portugal.

 

O projeto de lei foi chumbado pois contou apenas com os votos do próprio PAN, do BE e dos Verdes, o que deve dar para ai uns 5 votos mais coisa, menos coisa. Ah, já me esquecia, também tiverem 8 votos do PS e 1 do PSD, sendo que este deve ter sido uma maneira do partido de direita gozar com a quantidade de votos que o PAN tinha. De qualquer maneira, não foi suficiente.

Felizmente consegui ter acesso a uma entrevista com um aficionado, a qual vou disponibilizar já de seguida.

 

Jornalista Imaginário: Bom dia!

Aficionado: Bom dia!

JI: Vamos dar então início à entrevista.

A: Com certeza, deixe-me só pôr este documentário sobre matadores na pausa. (Pausa breve). Pronto, podemos começar.

JI: O que é que acha do projeto de lei do PAN?

A: Acho que esse projeto de lei tem como objetivo acabar com uma tradição que está enraizada na cultura portuguesa. Já não é a primeira vez que tentam acabar com os costumes deste país. Primeiro foi a abolição da escravatura, depois a proibição dos autos de fé, depois o fim da subjugação das mulheres, e agora querem acabar com a tauromaquia. Se continuarmos assim ficamos sem costumes dos quais podemos orgulhar-nos.

JI: Acha que a extinção de profissões ligadas à tauromaquia é um argumento válido para evitar a abolição desta atividade?

A: Claro que sim! Se as touradas acabarem muitas pessoas ligadas a esta atividade cultural vão perder o seu emprego. Mais uma vez temos de olhar para o passado e aprender com ele. Quantos ferreiros que fabricavam espadas  ficaram sem emprego quando inventaram a pólvora? Quantos bobos tiveram de se dedicar a outras atividades quando deixou de haver reis?

 

 

Quantos taxistas já perderam dinheiro à conta da UBER? Pois é, nunca pensam nisto. Não podemos deixar que aconteça o mesmo com a tauromaquia

 

JI: Um dos principais argumentos contra as corridas de touros é o sofrimento do animal. O que tem a dizer sobre isto?

A: As pessoas dizem que o toiro sofre. Que eu saiba ainda não houve nenhum toiro que se queixasse através de uma reclamação escrita, por isso ...

JI: Os toiros não sabem escrever.

A: Ainda mais me ajuda! Nesse caso, a tauromaquia é uma importante forma de combater a iliteracia em Portugal.

JI: Peço desculpa, mas esta entrevista não está a ir a lado nenhum.

Infelizmente a falta de cooperação do jornalista levou a que esta interessante entrevista acabasse aqui.

 

Como não quero deixar os meus caros leitores sem dar a minha opinião, decidi escrever um pequeno texto sobre a minha relação com a tauromaquia. Esta opinião, apesar de estar salteada com humor, é bem real:

Primeiro que tudo vou estabelecer o meu ponto de vista: não sou aficionado nem anti-tourada.

Cresci e continuo a crescer (agora só para os lados) no Ribatejo, como tal as touradas rodeiam-me quer eu queira, quer não. Apesar desse facto, só estive uma vez em toda a minha vida dentro de uma praça de touros, e devia ter ai uns 6 anos. Já vi muitas touradas na televisão, vibrava muito quando eram os forcados mas, com o passar do tempo, fui perdendo cada vez mais o interesse por esta atividade cultural.

O meu ponto de vista é complexo, mas vou tentar explicar. Sou a favor da continuação das touradas, mas tenho a perfeita noção que, mais tarde ou mais cedo, vão acabar, e quando acabarem não vou ter pena nenhuma e vou ser contra qualquer tentativa de recomeçar de novo com a tauromaquia. Vão acabar porque cada vez mais as pessoas vão tomar consciência que a tourada, apesar de ser uma tradição, é uma tradição estúpida. "Não é nada" dizem os aficionados. Eu volto a dizer: É. Até vou explicar porque é que é estúpido ainda existirem touradas em pleno século XXI: Imaginem que vivem num Universo em que não existem touradas, em nunca tinham inventado a tourada. Uma pessoa chegava ao pé de vocês e dizia:

 

"Epah, tive aqui uma ideia mesmo fixe. Agarrávamos num touro, púnhamos o gajo numa arena e depois espetávamos-lhe farpas no lombo e o caraças".

 

Agora digam-me, acham isto uma boa ideia? Se disserem que sim carreguem AQUI. Este link irá reencaminhar-vos ao site do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa. São boa gente e pode ser que vos ajudem.

Aquilo que eu quero dizer é que apesar de tradição, a tourada não faz sentido e só sou a favor da sua continuação porque os problemas que a sua abolição vai causar são superiores aos problemas que a sua continuação vai causar, que são problemas pura e simplesmente morais. Mas volto a dizer ( e de certa forma a profetizar) que a tourada vai acabar e quando isso acontecer, não há razões que justifiquem a tentativa de voltarem a existir.

Para rematar a questão digo apenas que o argumento que defende a continuação das corridas de touros para não extinguir a raça é, tal como a maior parte dos argumentos, estúpido. Isto porque o que não falta para ai é vacas para eles acasalarem. Elas andam ai.

 

 

Gostaram? Então partilhem, sigam-me no Twitter e ponham gosto no meu Facebook.